terça-feira, 2 de junho de 2009

Hoje apetece-me falar-vos de confusões. Sim, porque este blogue é também sobre nós e “confusão” poderia perfeitamente ser o nosso nome do meio. As nossas vidas davam um filme indiano e daqueles cheios de conteúdo (e erros nas legendas). Não seria uma história de amor, porque o tema “amor confuso” é fácil e já está mais que batido, quer em Hollywood quer nas novelas da TVI. Vamos falar de profissões/futuros confusos.

Então imaginem lá comigo. Vamos usar nomes fictícios e exagerar certas características porque supostamente é assim que se faz. Amodini, Manasi, Odara e Rashmi (pois, eu andei a procurar nomes indianos) personagens principais e únicas sentadas na esplanada de um café a conversar. Se calhar é melhor ser em Manhattan, qual Sexo e a Cidade, já que não tenho a certeza se existem cafés com esplanada na Índia e muito menos mulheres a conversar livremente por lá. Graças à fabulosa capacidade de múltiplas tarefas simultâneas que o par de cromossomas XX nos dá, as quatro amigas estão a ter aquilo a que um amigo meu chamou, num momento de forte inspiração, monólogos paralelos: as 4 a falar e a ouvir ao mesmo tempo - é claro que esta parte não iria resultar muito bem numa sala de cinema porque seria complicado discernir todas as vozes no ecrã, mas penso nisso depois.

E eis um resumo do que se vê/diz por lá:
  • Amodini – rapariga muito prática, directa e forreta. Desenvolveu recentemente um nervosismo acentuado e um leve mau humor que procura combater. Está a estagiar e tem o típico trabalho duro que o cargo acarreta: levantar muito cedo, sair muito tarde, trabalhar muito, internet censurada e sigilo máximo. O trabalho que está a fazer não tem nada a ver com o que deveria ser feito o que significam sérios problemas na hora do relatório. Tem que usar sapatos de protecção horrorosos o que se torna um verdadeiro pesadelo. Garante que não percebe nada da área em que está a estagiar mas vai se safando bem. Dá explicações a dois miúdos provavelmente amorosos que têm medo dela. Um é hiperactivo, outro é potencialmente disléxico. Ela adora-os mas gosta de os ameaçar. Tem aulas de italiano e é escuteira. Está a fazer uma cadeira que deixou em atraso (e a faculdade fica 70km do seu local de trabalho). Anda +/- na ginástica. Com a quantidade absurda de coisas que faz sente-se sempre cansada e sem tempo para ela. Numa das poucas saídas recentes à noite, descobriu que os amigos dos seus amigos são problemáticos e anormais. Além disso, não tem bem a certeza se gosta ou não do curso que tirou e decidiu tirar um Mestrado. No meio da confusão que é a vida dela, enganou-se numa candidatura e não ficou colocada na primeira opção de Mestrado. Safam-se as amigas fenomenais, o carro novo cinzento-maravilhoso que está aí a chegar, os chás e os gelados. Em aberto muitas decisões: Irá Amodini continuar na fábrica onde está a estagiar? Deverá ela tentar concorrer ao mestrado que prefere numa segunda fase? Conseguirá ela conciliar todas as suas tarefas?
  • Manasi – recatada, responsável e divertida. Adora fazer compras e está sempre impecavelmente vestida e arranjada para o que a situação em causa exigir. Tem imenso tempo livre no momento, o que a tornou uma devoradora de séries. Tem uma cadela lindíssima e maluca. Adora o curso que tirou mas está desempregada. Tem duas propostas pendentes. Uma perto e uma longe. A de longe é garantida. A de perto é melhor. Vive assim na corda bamba. Gosta de ajudar e tá sempre lá quando é preciso. Para ela está sempre "tudo bem". Tem um lema que tenta aplicar a todas as outras "Bola para a frente que atrás vem gente". O problema do momento é que os jogos têm muitas bolas e não sabemos qual é a oficial. Deverá Manasi apostar na melhor proposta e deixar fugir a longínqua ou agarrar-se ao que é já uma certeza?
  • Odara – a mais nova de todas elas. Irmã de Rashmi a quem faz a vida negra. Tem um bichinho carpinteiro e nunca, nunca, está parada. Intempestiva e intensa. Vive tudo o que faz ao máximo ou que é muito bom e muito mau. Gosta de correr, de nadar, de dançar. Muitas vezes começa a fazer coisas que depois não lhe apetecer acabar (aparentemente um mal de família). Quer fazer tudo (genético) e ultimamente vive em stress. Teve que abdicar de uma coisa que adorava fazer. Tem que decidir dentro de muito pouco tempo o curso que quer tirar e o problema dela nem sequer é a escolha, é a merda da média. Porque os cursos são uma bola de neve, principalmente as potenciais alternativas à famosa medicina. Porque quem queria medicina vai para as alternativas. E quem quer as alternativas deixa de conseguir entrar, então tenta outras alternativas, e aparentemente ninguém naquela área fica a fazer o que quer. Odara quer tentar ao máximo a sua primeira opção e para isso terá de fazer melhoria de notas o que resultaria em 6 exames numa semana. Já adiou um deles que não é significativo para a entrada na faculdade mas restam outras decisões. Como enérgica e por vezes excessiva que é, não consegue encontrar um meio-termo entre a descontracção necessária para o estudo e a paranóia. Tem picos de nervosismo extremo em alturas de pressão e outros de quase desleixo para não ficar passada. Acaba por resultar num (in)constante azedume. Tem uma viagem a Barcelona marcada para o Verão, com os amigos. A viagem prevê-se inesquecível, o que lhe dá algum alento. Como deverá Odara distribui as suas datas de exame e estudo? Será que ela irá conseguir manter a calma? Como deverá fazer a candidatura de forma a conseguir aquilo que quer?
  • Rashmi – gosta de fazer tudo e até há algum tempo atrás conseguia. Quando gosta, empenha-se e luta, quando não gosta, desleixa. Adora falar e fala pelos cotovelos. Sente que a sua verdadeira vocação seria trabalhar num café ou num cabeleireiro para falar o dia todo. Tirou um curso e os 5 anos não foram suficientes para decidir se gosta, mas tem inúmeras vertentes cheias de potencial. E agora que ela está a acabar é a hora de tentar fazer alguma coisa para redireccionar esse curso para uma área mais interessante. E tem quatro áreas interessantes na mesa: Marketing, Economia e Gestão da Inovação, Engenharia Biomédica e Multimédia. E Rashmi não sabe o que fazer. Marketing é interessante mas é a última opção porque Rashmi acha que uma Engenheira Informática com Mestrado em Marketing nunca vai ser nem uma coisa nem outra, são áreas um bocado distintas. E Rashmi adora Multimédia. Mas… Multimédia tem o defeito “ficar atrás do computador muitas horas seguidas sem falar com ninguém” que ela quer evitar. Sobram Biomédica e Inovação e Rashmi gosta muito das duas. O problema é que os prazos de candidatura são incompatíveis. Rashmi sabe que ficou colocada no Mestrado em Inovação mas não sabe se conseguirá fica no de Biomédica. Mas para se inscrever no de Biomédica terá que desistir do de Inovação. E Rashmi trabalhar num sítio um bocado horroroso, com um ambiente muito complicado. A favor do local estranho existem os horários flexíveis, o factor “funcionário público” e a proximidade de casa e dos dois potenciais locais de Mestrado. Rashmi vai a Istanbul nas férias. Anda a planear com Amodini e Manasi uma viagem a 3. Quer participar na feira medieval e sente que precisa muito de férias. SE lhe for dada essa hipótese deverá Rashmi aceitar o trabalho num local do qual nao gosta, complicado e onde não conhece ninguém (porque entretanto os restantes estagiários fixes vão embora), ou deverá mandar tudo pelos ares, ter as férias que merece e em Setembro recomeçar tudo de novo, talvez em part-time para conciliar com o Mestrado? E qual o Mestrado a escolher? Será Rashmi capaz de, neste momento, decidir o seu futuro?

(ouvem-se tambores em suspenso durante uns segundos)

Depois de todas dizerem o que têm a dizer faz-se silêncio. Todas atacam a sua fatia de salame acompanhada por um Chá (Tisana?) Multivitaminas.


“Não percam os próximos episódios… Porque nós, também não”



Vou vender a minha história à TVI. Alguém sabe se ainda é a NBP a tratar do assunto?

11 sentidos:

Periquito disse...

Nota-se bem que quem escrevu isto foi a rashimi. Acrescento mesmo que o texto sobre a Odara é um tudo nada tendencioso... assim pouca coisa ("Irmã de Rashmi a quem faz a vida negra. ") e não eram monólogos paralelos, eram simultâneos, mas a ideia é a mesma (isto se tiver sido eu claro). e isso realmente está complicado... mas esta é a fase das escolhas, e boa sorte pas vossas..mas de qualquer forma aqui fica a minha opinião, arrisquem no que querem, mesmo que achem improvável. ainda ninguém tem nada a perder. tu sabes que eu acho que esta indefinição poderia ter sido logo evitada há uns anos... tens a hipótese de te redimir, escolhe o que gostas.

e já agora, andas a postar no horário de trabalho????

Sara disse...

Que coisa estranha! Eu acho que conheço estas personagens de algum lado…hmm…deve ser impressão minha! Até porque não devem existir… só mesmo na cabeça de algum argumentista de bollywood, ou então na cabeça do tozé Martinho! Não é possível haver tanta confusão e tanto dilema na vida de um simples mortal!! LOL
Vera onde foste buscar esta historia rocambolesca??

(Só digo uma coisa, que God help us! LOL)

Beijinhos

Sara Francisco disse...

As descrições das personagens fazem-me lembrar aquelas histórias dos sims... Vá, o teu local de trabalho está a tornar-te um pouco mais anormal. Nada que não se resolva... mas nada contra!

Quanto à Odara, tenho a certeza que as coisas se vão resolver com calma, um dia de cada vez. As restantes personagens têm de tomar decisões mais difíceis mas se forem pelo mesmo caminho tudo se resolverá.

Ah, eu concordo plenamente com o periquito, determinadas descrições foram um bocado tendenciosas, foram foram!

Espero bem q tornes deste post o primeiro de uma rubrica :P:P

**

Lua Escondida* disse...

LOOL...amei o texto! Esta brutal! E só tenho a dizer que eu também gostaria ue um dia alguém me inventasse um nome indio e me descrevesse assim!! E está provado que as gajas tem sempre taaaantooos dilemas nas vida!!=)


beijinhos=*

Lua Escondida* disse...

Ahhhh, e eu acho (alias, tenho a certeza) que a viagem da Odara a Barcelona vai ser inesquecivel =)

Nokas* disse...

Grandes dilemas se avizinham na vida destas quatro meninas e acreditem q nao gostaria de estar no vosso lugar. Mas como é obvio tb ja tive de tomar algumas decisoes (pelo menos a questao de saber, alias de ter a certeza q estava no curso certo ajudou mt).
Eu se tivesse uma bola de cristal ate vos dava a resposta e claro q no vosso caso também desejariam uma bolinha no meio de uma mesa a desvendar o dia de amanha =)
Mas como tal nao é possível, resta pensar, pensar. Ponderar tudo. (mas essa realmente é a pior parte!)

Aguardo as cenas dos proximos episodios =)

Lila* disse...

ESta fantastico!!!So nao conheço a Rashmi e acho q foste mt boa a descrever as outras!Tou a ver q isso anda mt complicado, mas olha pl menos sp podem divagar ai nas vossas indecisoes e desde q consigam estar bem...:)


Hmmm...n sabia q a Amodini vai tirar um mestrado...acho bem assim n perde a pica dos estudos:)

Vera disse...

Periquito: Claro que foste tu que disseste. Acho que só tu e o Gabriel é que conseguiam dizer uma coisa destas. E desculpa o erro! ;)

Sara: Adoro o facto de andares a encarar a personagem.

Sara II: Não sei se vou ter inspiração para fazer disto uma rubrica (mesmo que pontual!) mas vou tentar!

Lua: Ainda bem que gostaste do texto! Ando a tentar arranjar inspiração para uma Já (não) te sinto em mim ;)

Nokas: A bola de cristal dava meeessssmmmmooo jeito!

Lila: Claro que conheces a Rashmi. Não conheces é a Odara! ;)


***

Lila* disse...

loool!
Pois é enganei-me!!!Conheço a Rashmi:)
Desculpa:)

Raquel disse...

Eu, apesar de não conhecer pessoalmente estas personagens sinto uma grande afeição e admiração por todas, possivelmente já nos devemos ter cruzado noutras vidas:PPP
Amodini, confesso a minha preferida, não vai ficar na fábrica em que estagia e claro que vai levar a bom porto a todas as suas tarefas, nem que seja só por ser teimosa como uma mula, e quanto ao Mestrado ainda não decidiu está como o tolo no meio da ponte...
A Manasi deixo-lhe 2 provérbios portugueses: "Quem não arrisca não petisca" e "Mais vale um pássaro na mão que dois a voar", agora é só escolher o que gostas mais:)
Odara, o Pedro Alvares Cabral perdeu-se no caminho para a India, mas descobriu o Brasil que não tinha especiarias mas tinha ouro, a questão é o que vale mais?:P
Rashimi, digo-te o que uma grande amiga minha costuma dizer: "Ama e faz o que quiseres":)
beijinhos

Vera disse...

Conselhos Fenomenais! =)