segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Nós fomos! U2?

E pensar que estivemos para não ir. Porque estávamos a morrer de sono. Porque o T. tinha que trabalhar. Porque o T. tinha que se levantar muito cedo na 2ª. Porque nos tentaram convencer a não ir. Principalmente porque o tempo estava uma merda, pensamos em não ir até Coimbra ontem à noite. PARVOS...

O tempo esteve MESMO Irish: muito merdoso de dia, fantástico à noite. Não estava frio, não estava vento, não caiu uma única gota desde que o U2 entraram em palco.

Os Interpol não me convenceram. Não desgostei mas não me convenceram! Nem a mim nem a grande parte do estádio. Público-alvo diferente? Talvez. 

O alinhamento foi quase perfeito. Baseado em muitas velhas-grandes glórias. Beautiful Day, Elevation, I still haven't found what I'm looking for, Vertigo, Sunday Bloody Sunday, Pride, One, With or Without You e uma fabulosa Where The Streets Have No Name foram cantadas em plenos pulmões por nós e pelos restantes 40 mil.

O espectáculo em si? Nada a acrescentar. Excelente, cativante mas não "único". Ou nada que já não estivesse à espera sabendo à partida que a banda precisa de 150camiões e várias dezenas de homens só para montar a estrutura.
O melhor de tudo? O ambiente. Estivemos sentados nas bancadas durante Interpol mas "saltamos" para o relvado a meio da primeira música de U2. 40 mil pessoas a cantar numa única voz. Um estádio às escuras mas cheio de luz. A vida. Os aplausos. Aquela voz a arrepiar (muito) em algumas músicas. Aqueles acordes. A companhia. A-d-o-r-e-i.

5 sentidos:

disse...

Obrigado Bono pela musica dedicada a Espinho ;D. Só faltou as pints...

Leila Reis disse...

não sou de todo fã dessa banda, mas confesso que sabem dar um espectáculo.
ainda bem que valeu a pena :)

Martinha disse...

o público de interpol não é definitivamente público dos u2.

Nokas* disse...

Eles sabem como dar um concerto memorável :)

Periquito disse...

Eu devo ser uma raridade dado que não fui ver o concerto. até o meu irmão foi, ao que isto chegou...